Caim versus Abel – A 1ª vinda do Ungido do Criador

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Moisés saiu do Antigo Egito cerca de 1250 a.C., com ex-escravos que libertara do Egito. Ele carregava consigo uma teoria da história revolucionária, escrita em tipo hieroglífico, através das formas e disposições tanto das mobílias como do próprio Tabernáculo. Ele a ensinou, durante os 40 anos no deserto, a alguns iniciados seus, e pretendia estabelecer o Tabernáculo na Palestina, para dar continuidade aos ensinamentos. Mas, Moisés morreu, possivelmente assassinado, ainda no deserto, e a direção do Tabernáculo foi usurpada por levitas e sacerdotes, que o transformou em templo religioso, para dominar, ideologicamente os fiéis e explorá-los. Os iniciados e a teoria revolucionária foram desprezados e combatidos, desde os mais antigos usurpadores, e caiu no esquecimento. Posteriormente, a teoria da história foi escrita em hebraico, por volta de 587 a 548 a.C., durante o Cativeiro em Babilônia. Nela consta registrado a 1ª vez em que o Ungido do Criador emergira na história da humanidade, e também o contexto social Caim versus Abel, onde ele emergiu